Soluções de acesso angulado ao parafuso

Flexibilidade protética e manuseamento fácil



Estética e acesso a partir de um novo ângulo

Soluções de acesso angulado ao parafuso (ASC)

Resolva os desafios estéticos que surgem quando as soluções aparafusadas são colocadas na zona anterior e melhore o acesso oclusal na zona posterior.

O acesso angulado ao parafuso (ASC) dá-lhe a opção de colocar o orifício de acesso ao parafuso em qualquer posição entre os 0° e os 25° num raio de 360°. Isto significa que já pode realizar restaurações aparafusadas em quase qualquer situação e eliminar os riscos conhecidos associados ao excesso de cimento. 

Além disso, a angulação obtida permite-lhe utilizar restaurações aparafusadas na zona estética evitando os acessos bocais ao parafuso, e o adaptador de metal permite utilizar restaurações sobre implantes em zircónia na zona posterior.

A função de ASC está disponível para restaurações sobre implantes de conexão cónica da Nobel Biocare.

Produtos com a função de ASC:

  • Pilar ASC NobelProcera
  • Coroa sobre implante NobelProcera
  • Ponte sobre implantes NobelProcera1

► Saiba mais sobre as nossas próteses

Porquê escolher soluções de acesso angulado ao parafuso?

Manuseamento fácil

Chave de parafusos Omnigrip — para manuseamento fácil e flexibilidade protética
A chave de parafusos Omnigrip tem uma função de recuperação e controlo que tem que experimentar para acreditar. O desenho exclusivo da ponta proporciona uma fixação forte para um torque de inserção total, mesmo em posição angulada. Agora pode:
 
  • Trabalhar rapida e eficazmente com a função de recuperação e fixação firme da chave de parafusos Omnigrip.
  • Aceder facilmente a casos na região posterior. O ângulo proporcionado pelos instrumentos Omnigrip ajuda quando o espaço vertical é limitado.
  • Reduzir as folgas nos parafusos aplicando um torque de 35 Ncm em qualquer ângulo.

Retenção e resistência previsíveis

Pilar ASC e Coroa sobre implante NobelProcera
Obtenha um resultado previsível e evite os riscos associados aos resíduos de cimento.2 O adaptador que conecta o pilar em zircónia ao implante é fixado mecanicamente com o parafuso encaixado no pilar.
 
O resultado? Uma retenção altamente previsível, sem cimento à vista.

Casos clínicos

Dr. Léon Pariente e Dr. Karim Dada, França – Substituição de um dente anterior com função imediata

Situação: Fratura na raiz do incisivo lateral superior, indicação de extração dentária. 

Solução:  Colocação imediata do implante no alvéolo pós-extracional, utilizando o implante NobelParallel Conical Connection e uma férula para broca piloto NobelGuide. Provisionalização imediata no dia da cirurgia e restauração definitiva com o pilar ASC da NobelProcera. 

Ver caso (PDF, 884 kB)

Prof. Dr. Stefan Holst, Alemanha, Luc e Patrick Rutten, Bélgica – Restauração posterior

Situação: Primeiro molar mandibular deteriorado. Abertura limitada da boca.

Solução: Extração dentária e colocação de NobelReplace CC RP. Colocação de pilar NobelProcera ASC com acesso ao canal por parafuso angulado em direção ao mesial.

Ver caso (PDF, 450 kB)

Dr. Marwan Daas, Dr. Karim Dada e M. Jean Marc Etienne, França - Restauração anterior

Situação: Displasia ectodérmica interligada com ausência múltipla congénita de dentes levando a problemas oclusais típicos. Estas agenesias estão associadas a atrofia óssea alveolar grave.

Solução: Colocação de seis implantes NobelReplace CC NP utilizando o software NobelClinician e cirurgia guiada. Seis pilares NobelProcera ASC servem de restaurações aparafusadas.

Ver caso (PDF, 391 kB)

Dr. Benjamin Cortasse, França – Restauração anterior

Situação: Incisivo central direito do maxilar fraturado. O dente está perdido e é planeada a extração. Osso periapical insuficiente.

Solução: Enxertos de osso e tecido conjuntivo. Colocação do implante NobelActive com coroa provisória. Utilização do pilar NobelProcera ASC para restauração definitiva a fim de evitar que o canal de acesso ao parafuso fique em localização labial.

Ver caso (PDF, 423 kB)

Dr. Juan Zufia e Santiago Dalmau – Restauração anterior

Situação: Agenesia dos dois incisivos superiores laterais. Pontes de cerâmica Maryland com descimentações contínuas. Espessura óssea de 2-3 mm em ambas as zonas da aresta. Osso insuficiente para colocação de implantes e zonas afundadas na gengiva.

Solução: Remoção da Ponte Maryland. Efetuado enxerto de tecido conjuntivo e regeneração óssea guiada. Colocação de dois implantes NobelActive NP e dois pilares NobelProcera ASC revestidos diretamente.

Ver caso (PDF, 533 kB)

O que dizem os utilizadores

Dr. Simon Kold, Dinamarca

"[O ASC] foi o avanço mais importante de 2015 para a nossa clínica... Diríamos que se trata de um avanço revolucionário"

Veja o vídeo na íntegra

Dr.-Benjamin-Cortasse_tcm261-71783.png

Dr. Benjamin Cortasse, DDS, França

"Estas novas soluções proporcionam mais opções quer ao prostodontista, quer ao técnico laboratorial de prótese dentária. A maior flexibilidade ajuda a assegurar o melhor resultado possível para o tratamento. Graças à colocação livre do eixo do parafuso, as propriedades visuais da cerâmica, como a translucência, podem ser otimizadas enquanto se preservam as vantagens de uma solução aparafusada.”

Patrick-Rutten,-Belgium_tcm261-71786.png

Patrick Rutten, Técnico laboratorial de prótese dentária, Bélgica

“Quantos casos conhecemos em que o orifício de acesso ao parafuso saía no bordo incisal ou até no plano labial. Agora podemos criar uma única coroa aparafusada sem cimentar.”

Scott-MacLean_NobelActive3-0-user.jpg

Dr. Scott MacLean, DDS, FADI, FPFA, FACD, Canadá

“Podemos obter o canal do parafuso no local ideal tanto em termos de estética como de resistência, bem como para a colocação ideal da restauração final. É simplesmente fantástico."

Bibliografia

1 These products may not be regulatory cleared/released for sale in all markets. Please contact the local Nobel Biocare sales office for current product assortment and availability.

2 Wilson TG, Jr. The positive relationship between excess cement and peri-implant disease: a prospective clinical endoscopic study. J Periodontol. 2009;80 (9): 1388-92.